quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Luz do Amanhã

Luz do Amanhã




Os nossos olhos preparados para o que é belo,
Pinta às portas um castelo na imaginação...
O outro lado da vida na tela, a ilusão.
A realidade oposta desmascarando a vaidade
Como verdade sentida na batida do martelo,
Esclarecendo todo o sentido da vida.
Que na dor floresce o melhor de nós
Pois basta-nos sofrer que descobrimos, o remédio é o amor...

A natureza nos devora como prezas fácil
Em seu ágil labor na relva flora de sua evolução
Naquilo que pensamos dominar,
Somos dominados como um barco a deriva em meio a um furacão
Os terremotos sacodem o nosso medo
Desafiando todo credo que retém a humanidade.

E nesta síntese vivida dentro de todas as tragédias
Questionamos o criador...
Será que ele nos esqueceu?

Não tenho por omisso o Poderoso Deus,
Ele não se esquece de ninguém!
Pode haver na morte, a sorte de alguém.
Eis que somos predestinados a morte todos os dias de nossas vidas,
Mas por amor também somos salvos.

Quem nos garantirá a luz do amanhã?
Se não for o próprio Deus.


Cesar Moura

Nenhum comentário:

Postar um comentário