domingo, 10 de janeiro de 2010

César

César


O intento de viver em intenso furor,
Vasta em suplica a “res publica” por falta de amor
Mesmo que sã nada lhe será melhor
Como é o próprio amor,
Vide bula o remédio é amar...
Neste imenso império da humanidade em seu Augusto viver,
Rege-nos César por tanto poder...
Mas, no entanto pra que tanto poder?
Se o beneplácito é o amor!

Penso amar-te por ser como você...
Eis que me vejo no rosto de cada ser
Entretanto o viver pelo amor,
Basta-nos como poder!


Cesar Moura

Nenhum comentário:

Postar um comentário