domingo, 16 de agosto de 2009

Quimera

Quimera


Oremos por nossa terra
Pelo fim de todas as guerras
Que deveras nos tira a paz
Vamos ver a luz do sol
Vertendo na escuridão
Abra o seu coração
Para o amor superno e fraternal.

Pode ser que a luz das estrelas
Um dia pare de brilhar
E que os pássaros lá no céu
Também deixe de voar...
Mas o amor nunca deverá cessar.

Quimera alusão no coração desfaz
Transforma a dor em paz
Quisera ter você o dom deste poder
Do amor forte e viril
Da inocência infantil.

Nunca perca a esperança...
Seja forte meu rapaz
Como a trança que refaz
O elo reforçado do script por esta ficção
Do amor firme e real
Que clama pela paz.



Cesar Moura

Nenhum comentário:

Postar um comentário